A agricultura biológica é uma agricultura que respeita verdadeiramente o Ambiente, os Animais e o ser Humano. 

O Respeito pelo Ambiente: A agricultura biológica melhora a rotação de culturas e tem como regra o uso, apenas, de sementes não geneticamente modificadas. Não há, neste tipo de agricultura, o recurso a produtos químicos sintéticos como fertilizantes, herbicidas, insecticidas, fungicidas...ou outros que se assemelhem. Os cultivos são totalmente realizados com recurso a métodos tradicionais e isentos de quaisquer produtos químicos. Por exemplo: o controlo das ervas daninhas é realizado manualmente, de modo a preservar a fertilidade do solo e a qualidade das águas subterrâneas. 

O respeito pelos animais: A agricultura biológica constitui um melhoramento nas condições de higiene. Favorece a biodiversidade e o controlo biológico da fauna, assim como dos valiosos predadores naturais (como é exemplo o recurso a joaninhas na luta contra os afídeos, sendo estes insectos verdadeiras armas biológicas), em vez de eliminar qualquer actividade de forma indiscriminada dos animais. 

O respeito pelos seres humanos: A agricultura biológica oferece os mais saudáveis ingredientes, sendo estes desenvolvidos respeitando o meio ambiente em que vivem. 
Actualmente, se um produto recebe a denominação de "biológico" tal implica que, pelo menos 70% de seus ingredientes, sejam provenientes da agricultura biológica. 

No entanto, estas condições não são suficientes para obter o selo AB. Este selo exige que, mais de 95% dos ingredientes dos produtos, sejam provenientes da agricultura biológica.

O diferencial de preço que poderá existir entre os produtos da agricultura biológica e os produtos da agricultura convencional é explicado pela diferença dos métodos utilizados em cada um.


A Agricultura biológica necessita de uma maior mão-de-obra (técnicas de produção, manutenção...) e por sua vez, a produtividade poderá ser menor e mais irregular.

Para garantir a origem biológica dos produtos alimentares, é necessário efectuar os controlos em todas as fases: desde a selecção das matérias-primas, à fabricação e distribuição.

Estes controles são efectuados por organismos independentes.
A agricultura biológica proíbe o uso de produtos químicos. De tal forma, que os ingredientes que são utilizados na elaboração destes produtos são obviamente, isentos de resíduos químicos que seriam susceptíveis de representar um risco, a longo prazo, para a organismo. 

Segundo o relatório da Agência Francesa para a Segurança dos Alimentos (AFSSA), encontra-se nos produtos biológicos uma menor quantidade de nitrato (entre 30 e 50%) e de metais pesados, do que na agricultura convencional, devido às restrições legais subjacentes à agricultura biológica (proibição da aplicação de lamas de depuração, proibição de fertilizantes nitrogenados sintéticos à base de azoto, maior limitação na utilização de sais de cobre...). 

Frutas e legumes cultivados na agricultura biológica contêm mais antioxidantes e têm níveis mais elevados de determinadas vitaminas, em particular a Vitamina C e alguns sais minerais, de acordo com o relatório da AFSSA. 

A agricultura biológica favorece curtos circuitos de distribuição, o que permite colher os frutos e produtos hortícolas num melhor nível de maturação, quando as suas qualidades nutricionais e degustativas estão no seu auge.